domingo, 12 de abril de 2009

México, 20 de Março de 2009.

E tudo ali era verdadeiramente Frida Khalo, cada cômodo em que eu percorria tinha os seus traços, a sua arte, a sua timidez exposta nos retratos em preto e branco, a sua paixão, a sua cultura, nos livros de seu acervo, ainda bastante conservados.
Caiu-me uma lágrima ao estar diante de sua cama. Sim, estive em seu quarto e diante do seu lugar de inspiração, seu leito de morte, pensei em tantas outras, que do rosto dela deve ter caído ali, de dor, de amor, de saudade!
Frida usava cadeiras de rodas, depois de seu acidente e estive diante dela também, porém ali não senti gritos de dores, nem lamentações, tinha força, movimento, se fazia como asas, para que pés? Nas tintas abertas, muitos tons de amarelo, muito vermelho, muita paixão. E no seu jardim, quantas flores bonitas, quantas maiores emoções, nostalgia.
Me senti próxima, me senti íntima.
Rua Londres, 247. Coyoacán, México.

Um comentário:

nicinha disse...

deu vontade de passar por aqui, ...e me deparei com esse relato lindo...palavras bonitas sobre frida...como estás???